É a economia municipal Vereador!

Coluna do jornalista Sérgio Lerrer para o Pro Legislativo.

Convido os Vereadores a pensarem no que de fato pode gerar uma mudança de paradigma em seus municípios e assim tornarem seus mandatos efetivos: o desenvolvimento econômico.

Construir rede de proteção social no município é fundamental, porém só consegue ser realizado com recursos financeiros existentes. Se não tem desenvolvimento econômico o tesouro Municipal pouco poderá fazer.

Qualificar a educação também é essencial. Mas é preciso ser feito mais e além daquele básico que recursos estaduais e federais proporcionam. Com eles só é possível manter o que já existe. Então o diferencial e adicional dependem da geração de mais recursos municipais para ter seu reforço específico de planejamento.

Saúde então só consegue saltos melhorando a capacidade de contratação de bons recursos humanos e investimentos na qualificação das unidades básicas de saúde e hospitais. São básicos, e portando só conseguem ter maior qualidade se a própria prefeitura investir.

E assim por diante…. Então uma administração municipal que se contenta com o que pode conseguir de mais recursos da administração estadual e federal estará atada a um status de dependência e escassez permanente.

Não resta outra opção que não seja fomentar o próprio desenvolvimento econômico local e fazer seu próprio caixa.

A Câmara de Vereadores justamente pode ser o fórum permanente de debates para o desenvolvimento econômico. Aliás, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro tem um fórum nesse modelo institucionalizado e com equipe de trabalho própria e agenda própria.

Vereadores reunidos podem criar um calendário de discussões e seminários chamando especialistas, acadêmicos, dirigentes empresariais e de classe, oxigenando as ideias locais, incentivando insights e criando assim um ambiente coletivo de desejo e rumo para um desenvolvimento.

A partir daí, identificando setores e vocações, melhor e mais fácil será para a busca de parcerias e meios. E quanto mais claro ficarem estratégias e objetivos, maior será a chance de engajamento da população e de surgimento de boas soluções.

A parte mais fácil hoje é depositar 100% da imaginação e ideias em como gastar os recursos públicos e querer garantir aplicação nesta ou naquela área. Ou ainda, aumentar impostos. O mais difícil e que torna realmente sustentável um orçamento público é idealizar desenvolvimento econômico em bases reais, contínuas e com as capacidades e aptidões da região.

Uma gestão de prefeitura nunca será a “salvadora da pátria”. O destino de um município é responsabilidade da sociedade local como um todo. E a Câmara Municipal é o espaço adequado para o debate e criação de um programa de ação de longo prazo.

Apenas o desenvolvimento econômico e modernização da estrutura produtiva de uma cidade pode gerar os meios adequados para a qualidade de vida de seus cidadãos.

Sérgio Lerrer é especialista em comunicação legislativa e Publisher do Pro Legislativo.